Volume
Redes
Sociais
Proliferação de “notícias falsas” ou fabricadas no meio evangélico, elas são desnecessárias e antibíblicas.
24/09/2017 - 23h39 em Gerais

Com o intuito de ganhar acessos, informações são divulgadas sem que as fontes sejam checadas e confundem leitores.

 

Estabelecer a verdade é um dos elementos principais do jornalismo feito por cristãos para cristãos.

 

Durante muito tempo o consumo de notícias foi baseado apenas no que as grandes corporações de mídia julgavam relevantes. Isso deixava o meio cristão alijado de ver seus valores e opiniões representados.

 

O cristianismo só era notícia, via de regra, quando havia algum escândalo para reportar.

 

As chamadas “fake news”, nome mais moderno para os antigos boatos, são hoje um grande problema nas redes sociais, uma vez que a maioria das pessoas não têm como conferir o que lhes é apresentado.

 

Publicada originalmente pelo portal Padom em 2009, a manchete anunciava “Deus manda criança de 3 anos falar que este é o último governo, pois o arrebatamento está próximo”. No corpo do texto, informações sobre acontecimentos em uma igreja em Rondônia. A data do fim foi “profetizada” para 2011, durante o governo Dilma.

 

Uma leitura atenta mostra indícios claros de que não era verdade.

·                A menina citada não tem seu nome revelado,

·                Não tem nenhum tipo de informação sobre o pastor bem como seu nome.

N     Nem em qual denominação aconteceu

·                Não tem nenhuma informação ou detalhes sobre a igreja onde o suposto fato ocorreu.

 

Mais surpreendente ainda é ver a mesma notícia – evidentemente falsa, uma vez que 2011 já passaram e tiveram um novo governo após Dilma – ser publicada pelo site Gospel Geral que teve até o momento, mais de dois mil e quinhentos compartilhamentos

 

Como é comum no meio gospel, essa notícia foi copiada por outros sites e páginas de Facebook, sendo comentada e propagada como um alerta real.

 

Nós, devemos ter um compromisso com a verdade, pois somos cristãos comprometidos com Jesus, que alertou sua igreja sobre o “pai da mentira”. Muitas vezes recebemos vídeos de pessoas bem-intencionadas que pedem para suas mensagens serem divulgadas. Também nos enviam fotos que comprometem a credibilidade de pastores e cantores.

 

Contudo, além de sermos evangélicos que acreditam que Deus revela, somos profissionais que conhecem os requisitos básicos do jornalismo. Checar os fatos ou a idoneidade do meio que os divulga é algo de extrema importância em nossos dias, onde as fake news já se revelaram um problema, sobretudo nas redes sociais.

 

Acreditamos que há coisas feitas por Deus que não poderiam ser investigadas jornalisticamente, mas em tempos onde os celulares com câmeras são quase onipresentes e existem várias maneiras de verificar os fatos, é preciso usar o bom senso.

 

Boatos já foram desmentidos, em outras ocasiões algo que entendemos ser parte de nossa missão de informar.

 

Cuidado com as notícias falsas no meio evangélico, elas são desnecessárias e antibíblicas.

 

 

 Redação

 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
Publicidade4
Publicidade